Páginas

domingo, 9 de março de 2014

SEM PALAVRA




Tem vez que eu abro um documento

− na tela de mil entretenimentos

a fim de teclar algum verso bêbado

que tenha caído no pensamento –

mas não digito nada: minimizo

o arquivo em branco, sem batismo

e sem alcunha que o justifique

− já evaporou o que não existe.

E, pois, mesmo mudo ali na barra

atrai o meu olhar e tripudia

sobre a minha falsa harmonia

que se foi veloz farejar o rastro

etílico daquele decassílabo

no meio do alambique dos fatos.


Um comentário:

  1. Mais um lindo Poema Poeta Marlos Degani! Carinhos

    ResponderExcluir

Faça o seu comentário

Marlos Degani

Minha foto
Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, Brazil
Participa do grupo de poesia Desmaio Públiko em Nova Iguaçu. É jornalista, escreve crônicas periódicas no sítio do Baixada Fácil www.baixadafacil.com.br e lançou de seu primeiro livro de poemas chamado Sangue da Palavra em 2007 e um CD de poemas chamado MARLOS DEGANI - ATÉ AGORA em 2009, com a sua poesia completa (édita e inédita). Lançou em set/14 seu segundo volume de poemas chamado INTERNADO no formato e-book, já disponível nas melhores virtuais. Contato: marlosdegani@gmail.com